Número total de visualizações de página

domingo, 26 de julho de 2009

Entrevista ao Oeste Online

Francisco Gomes // Edição de 19-07-2009
Junta de Freguesia de Nossa Senhora do PópuloTeresa Serrenho –
“Quero candidatar-me para agitar as águas mornas”

Em entrevista ao Oeste Online , Teresa Serrenho, que se disponibiliza para ser candidata à Junta de Freguesia de Nossa Senhora do Pópulo, numa lista independente, explica que quer "agitar as águas mornas”.
Oeste Online – É candidata independente, como tal não está ligada a qualquer partido…
Teresa Serrenho – Exactamente, mas ainda não sou candidata. Apresentei a minha propositura. O que me fará avançar são as assinaturas que estou a recolher na freguesia. Deverão ser precisas cerca de 300.
Oeste Online – Como está a correr a recolha de assinaturas?
Teresa Serrenho – Há pessoas voluntárias que se ofereceram para recolher assinaturas. Tenho de entregá-las até 17 de Agosto e tenho visto muita gente que partilha da opinião que é preciso mudar alguma coisa. Não vou revelar ainda a equipa nem programa, só quando for candidata. Tenho assinaturas de pessoas de todas as tendências. É mais uma hipótese de escolha do eleitorado, o que é também o meu objectivo, para fazer agitar as águas mornas. Surpreende-me de algum modo o entusiasmo que colocam nesta aventura, é um bocadinho ousado dar a cara por um projecto sem apoio partidário.
Oeste Online – O que é que a motiva a lançar-se nesta candidatura?
Teresa Serrenho – Foi um desafio lançado por a lgumas pessoas e o desencanto que é comum a muita gente em relação aos políticos. Esta é a terra onde nasci e senti ousadia em fazer alguma coisa. A cidade está descaracterizada. A cidade das Caldas morreu um pouco, perdeu a sua vida activa. Há alguns anos a vida de Verão era muito rica na cidade, onde à noite havia muita gente a passear. A ideia base da minha candidatura é tornar a cidade apelativa para trazer as pessoas.
Oeste Online – A sua vida profissional é na docência…
Teresa Serrenho – Tenho 53 anos. Sou directora do agrupamento de escolas de Campelos, em Torres Vedras. Fui professora nas Caldas e presidente da Associação de Artesãos das Caldas da Rainha. Tive projectos empresariais como a empresa Licores Malandrice e a Bombondrice.
Oeste Online – O seu marido fez parte de um anterior executivo da Junta, nas listas do PSD…Teresa Serrenho – Ele reconhece as minhas capacidades e tem sido um apoio incondicional. Pelo facto do meu marido ter estado na Junta, liderada pelo sr. Vasco Oliveira, antes de tornar público a minha propositura dei conhecimento ao presidente da Junta, pela ligação que temos. Fui dizer-lhe que não tenho nada que me mova contra ele.
Oeste Online – Tem experiência autárquica?
Teresa Serrenho – Não. O facto da minha candidatura não ser partidária poderá ser uma mais valia para quem está desencantado.
Francisco Gomes

2 comentários:

  1. Apoio esta candidatura porque acredito numa política de verdade, feita de olhos nos olhos, em nome de grandes causas e não de interesses mesquinhos. Apoio a Maria Teresa Serrenho porque acredito numa cidadania activa, em que a participação política não se resume aos interesses da partidocracia. Mas apoio-a sobretudo porque a conheço e sei do que é capaz. Porque sei que por onde tem passado tem dado provas de uma entrega absoluta, de uma inquestionável competência e de uma determinação capaz de agitar as águas, que mais do que mornas, estão às vezes excessivamente estagnadas.

    João Luís Couvaneiro

    ResponderEliminar
  2. Apoio-te, Teresa, porque é tempo dos cidadãos poderem erguer, livres a sua voz, em prol de valores que ultrapassam os interesses e o conformismo. Apoio-te na determinação de quereres mudar, de seres autónoma e comprometida, de te afirmares responsável e de não temeres o confronto com os poderes instalados. De dares voz, afinal, aos que por temor, indiferença ou inércia, se mantêm no comodismo de nada fazer. É preciso trazer à política a força do "hemisfério direito". As mulheres têm-no provado, mesmo sem quotas. Afinal esta inquietude que o movimento da tua anunciada candidatura provoca não quererá dizer, já por si, mudança? Obrigada pelo teu testemunho.
    Uma Maria MULHER.

    ResponderEliminar